Os Nossos Amigos

Etiquetas

A VOAR NA POESIA (5) A) (6) Alessandra Brander (7) Alvaro Sertano (3) Ana Stoppa (25) Anderson Gouvêa (18) Antonio Anjes (11) Antonio Carlos Gomes (39) António Patrício (6) AQUELE POEMA (Gerlane Fernandes) (18) ARTE (6) AUTORES NA ANTOLOGIA VOAR NA POESIA (339) Barbara Nunes Guarany Kaiowá (46) Bosco da Cruz (10) Bruno Junger Mafra (22) CARD DA SEMANA (447) Carlos Lobato (9) Carlos Manuel Alves Margarido (48) Carmem Teresa Elias (5) Céu Pina (34) Claudemir Geronazzo Mena (21) Claudia Salles (11) Cleody Virgínia Silveira (1) Conceição Oliveira (9) CONCURSOS DE POESIA (1) Cris Anvago (19) Cyda Lyra (26) DECLAMAÇÕES-canções-etc. (12) Denise Alves de Paula (50) Dennys Távora (5) DESGARRADA POÉTICA (4) Dilma de Caboclo (12) Dulce Morais (18) Edleuza Nogueira Fonseca (18) Edson Moreira Costa (7) Elian Vieira Silva (13) Enide Santos (67) Eugenia Silveira (5) Fátima Abreu (Fatuquinha) (5) Felipe Rey Rey (12) FELIZ NATAL (46) Fernando Figueirinhas Nana (Naná) (21) FILHOS de Amigos (15) Flávia Marques (5) Flávio Castorino [FlaVcast] (3) FORMATAR (262) Francis Raposo Ferreira (10) Francisco Costa (46) Francisco Settineri (6) Freddy Diblu (13) Geane Masago (78) Gilberto de Almeida (2) Gilberto Wallace Battilana (6) Guria da Poesia Gaúcha (4) HAIKU - HAIKAI pela IMAGEM (6) Imara Ione Vieira (64) Irá Rodrigues (45) Isabel Lucas Simões (9) Jair Francisco da S. Junior (4) Jair Lisboa (7) Janaina Cruz (9) João Raimundo Gonçalves (jrg) (7) Joaquim Barbosa (14) Jonas R. Sanches (25) José Alberto Sá (13) José Carlos Moutinho (3) José Manuel Cabrita Neves (47) Jussara Marinho (18) Kondor My (3) Laisa Ricestoker (43) Leny Mell (41) Leyla Denyse (27) Lilian Reis (12) LIVROS DE POESIA (ALFARRABISMO) (62) Lúcia Polonio (31) Luciana Saldanha Lima (14) Luly Diniz (3) Magda Lopez (27) Marah Mends (4) Mari Alves (51) Maria C. Batista (83) Maria Elisa Ribeiro (24) Maria Helena (12) Mary Rosa (33) Menções Honrosas (339) Miriam Lorente Rodrigues (13) Moacir (23) Neidinha Borges (26) OFICINAS-WORKSHOPS-ETC. (1) Oswaldo Genofre (7) Paula Lourenço (6) Paulo Henriques Frias (7) Paulo Ras (4) POEMA DA SEMANA (68) POEMA TEMÁTICO (20) POESIA (1061) POESIA PARA CRIANÇAS - GRUPO (22) POETA DA SEMANA (4) POETAR (204) PRÉMIO VOAR NA POESIA. (33) Profª Fatuca Silva (8) QUEM É? (37) Rafael Silvestre (6) Renata Bicca (4) Rita Pinho (59) RÓ MAR (54) Rosa Ralo (7) Rosane Ramos (3) Rosiane Ceolin (6) Rudi Ceu (4) San Art's (15) Sérgio Lizardo (9) Silvia Dunley (2) Silvia Regina Costa Lima (4) Sol da noite (45) Sol Figueiredo (13) Solange Moreira de Souza (28) Sulamita Ferreira Teixeira (15) Teresinha Oliveira (Terê Oliva) (54) Valdecir de Oliveira Anselmo (35) Valter José Guerreiro (7) Vitor Moreira (14) VOAR NA POESIA - Aniversários (4) Vrs Palegre (19) Wilma Langer (26) Zé Loureiro (9)

Desde 17 de Agosto 2012

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

RESIGNAÇÃO

Sonhei como se sonha, arquitectando
A vida como nunca p'ra mim fora!...
E atrás duma ilusão vou suportando
A cruz que o meu destino não melhora.

Mas sonhos lindos viverei sonhando...
Há-de chegar a hora redentora
Das mágoas que em meu peito fui juntando,
Das lágrimas choradas, vida fora!

Depois dum Mal, um doce Bem floresce.
E um dia então será doirada messe
O grande Amor que em mim sinto vibrar.

Pior que o meu Destino, deve ser
O de alguém que na vida não tiver
Um coração por quem possa chorar!

Elísio de Vasconcelos

in POLIEDRO-Sonetos e Outras Poesias (1946)


www.bibliothequeduvalais.blogspot.com tem 1 exemplar de POLIEDRO - Sonetos e Outras Poesias (25 €). Para saber mais sobre a obra ou a adquirir, contacte voarnapoesiablog@gmail.com.







Elísio de Vasconcelos (1915 -1965)
Professor e poeta

Elísio de Vasconcelos nasceu em 1915, no Brasil, no Estado do Maranhão, onde seus pais se encontraram emigrados, tendo decidido regressar a Portugal pouco depois do seu nascimento, fixando-se em Monsul ,freguesia da Povoa de Varzim, onde possuíam algumas propriedades.
Aí, Elísio de Vasconcelos  frequentou o ensino básico tendo após o seu término ido estudar no Colégio de Guimarães. Mais tarde, deslocou-se para a cidade invicta (Porto), tendo concluído a preparação para ingressar no colégio João de Deus. O seu trajecto académico viria a ser concluído na Faculdade de Farmácia da mesma cidade, onde se licenciou como farmacêutico-químico, tendo voltado nessa altura à Povoa de Varzim onde resisiu até 1933.

Não se sentindo realizado com a vida na aldeia, em 1934 voltou ao Porto, onde fixou residência e passou a exercer como químico-analista num laboratório dessa cidade.
Elísio de Vasconcelos foi mais um desses homens que, tendo estudado ciências, o amor era outro..... Letras!
Casou com D. Maria da Glória de Moura Direito de Vasconcelos, passando a residir, primeiro, na rua de Antero de Quental, mudando-se meses depois para a Rua do Bonjardim. Esta ligação não gerou herdeiros.
Após se ter casado Elísio de Vasconcelos deixou a sua actividade de químico para se dedicar à docência, tornando-se professor no Colégio João de Deus onde havia sido estudante.
Seria, neste colégio e por iniciativa dos seus alunos que viria à luz o seu primeiro livro, intitulado “A saltar uma fogueira” (Porto, Edições Inicial, 1945), e no qual o poeta publicou um conjunto de sessenta e duas quadras “sanjoaninas”.
Com
 trinta anos, a sua veia poética não parava de jorrar. Iniciou colaboração em vários periódicos, entre os quais o semanário povoense “A Maria da Fonte”. E, ainda em 1945, veio a público o seu segundo livro, “Poliedro. Sonetos e outras poesias” (Porto, Livraria Portugália, 1945), seguindo-se-lhe “A ternura que me deste” (Porto, Livraria Figueirinhas, 1946).
A crítica acolheu muito bem os seus três volumes de poesia aos quais teceu as mais elogiosas referências  nos diários nacionais de maior expressão, de A Tarde ao Primeiro de Janeiro, ao Comércio do Porto, a O Século ou ao Diário da Manhã.
A revista O Inicial, órgão literário e artístico do Colégio João de Deus, publicou em Dezembro de 1945 uma extensa matéria sobre “A ternura que me deste” de onde extraímos o seguinte trecho: “Elísio de Vasconcelos é um poeta. Acentuamos. Repetimos. Poeta no sentido integral e quase maravilhoso do vocábulo. Eis a agradável convicção que a leitura desde livro nos dá […]. Como artista, Elísio de Vasconcelos é escravo de si mesmo. Isto é, da caudalosa fluência do sentimento lírico, que nele tudo inunda, subverte e vence. A onda da poesia transborda incessantemente do seu peito. Alastra em impulsos irreprimíveis. Vibra em estos viris. E na sua humildade adorável reflecte assim qualquer coisa de grandioso e olímpico”.

 
Nos finais da década de 1940, Elísio de Sousa Vasconcelos sente o "chamamento da pátria-mãe" decidindo deixar a docência para regressar ao Brasil.
Ali chegado instalou-se na sua cidade natal onde, na Universidade Estadual do Maranhão, passou a leccionar Farmácia e Língua Portuguesa, atingindo, poucos anos depois, a cátedra. Desempenhou também funções oficiais, chegando a ocupar o alto cargo de secretário do governo maranhense.
Inconstante como quase todos os poetas, em 1960 voltou a mudar de cidade, fixando-se desta vez no Rio de Janeiro onde foi contratado para ensinar em dois dos mais prestigiados colégios da cidade: o D. Pedro II e o Estadual Sousa Aguiar.
Foi ainda redactor especial do jornal “A Voz de Portugal” e, mais tarde, de “o Mundo Português”.
Em finais de 1963 regressou a Portugal, numa viagem de saudade. Estanciando em Monsul, ali permaneceu por longos meses, aproveitando para viajar por todo o norte de Portugal. Regressou à cidade maravilhosa em meados de 1964, mantendo as actividades de professor e jornalista.
Mas não o seria já por muito tempo: a morte surpreendeu-o aos 50 anos de idade, no Hospital dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro onde se fizera internar pouco tempo antes. O seu corpo encontra-se inumado num dos cemitérios dessa cidade que para ele foi a ultima, Rio de Janeiro.
 
 

3 comentários:

  1. Um prazer!!! Gratos nós pela visita Enide Santos!!!

    ResponderEliminar

  2. MUITO BOM, ADORO CONHECER POETAS NOVOS, BOA TARDE, BJS.
    SISOYYO -

    ResponderEliminar